domingo, 26 de fevereiro de 2012

Os Druídas


"QUANDO ESTUDAMOS SOBRE OS DRUÍDAS, TEMOS DE ESQUECER NOSSA RAZÃO E EMBARCAR NUM MUNDO DIFERENTE, MÁGICO, FANTÁSTICO, DE UM POVO INCRÍVEL E MISTERIOSO”.


Quem eram os druidas? – O que melhor se pode dizer é que os druidas foram membros de uma elevada estirpe de Celtas que ocupavam o lugar de juizes, doutores, sacerdotes, adivinhos, magos, médicos, astrónomos, etc., mas que evidentemente não constituíam um grupo étnico dentro do mundo Celta. Eram grandes conhecedores da ciência dos cristais, radiestesia, plantas, etc.

As mulheres célticas gozavam de mais liberdades e direitos do que as de outras culturas contemporâneas, incluindo-se, até mesmo, o direito de participarem de batalhas, e de solicitarem divórcio. Neste contexto havia mulheres druidas. Na cultura druídica, portanto, a mulher tinha um papel preponderante, pois era visa como a imagem da Deusa.

No contexto religioso os druidas eram sacerdotes e sacerdotisas dedicados ao aspecto feminino da divindade, a Deusa Mãe.
Embora cultuassem a Deusa Mãe mesmo assim admitiam que todos os aspectos expressos a respeito da Divindade eram ainda percepções imperfeitas do Divino. Assim, todos os deuses e deusas do mundo nada mais eram do que aspectos de um só Ser Supremo - qualquer que fosse a sua denominação visto sob a óptica humana.


A palavra druida é de origem céltica, e segundo o historiador romano Plínio - o velho, ela está relacionada com o carvalho, que na realidade era uma árvore sagrada para eles.

Desde que o povo celta não usava a escrita para transmitir seus conhecimentos, após o domínio do cristianismo perdeu-se muito das informações históricas daquela maravilhosa civilização e especialmente das que a precederam deste o fim da Atlântida, excepto aquilo que permaneceu zelosamente guardado nos registros de algumas Ordens Iniciáticas, especialmente a Ordem Céltica e a Ordem Druídica.



Por isto muito da história dos Druidas até hoje é um mistério para os historiadores oficiais; sabem que realmente que existiu entre o povo Celta, mas que não nasceram nesta civilização. Sendo assim impõe-se a indagação: de onde vieram os Druidas? Seriam Deuses? Ou Bruxos? O pouco que popularmente é dito a respeito dos druidas tem como base diversas lendas, como a do Rei Arthur, onde Merlin era um druida.
Os Druidas dominavam quase todas as áreas do conhecimento humano, cultivaram a musica, a poesia, tinham notáveis conhecimentos de medicina natural, de fitoterapia, de agricultura e astronomia, e possuíam um avançado sistema filosófico muito semelhante ao dos neoplatônicos.

O povo celta tinha uma tradição eminentemente oral, não faziam uso da escrita para transmitir seus conhecimentos fundamentais, embora possuíssem uma forma de escrita mágica conhecida pelo nome de escrita rúnica. Mesmo não usando a escrita para gravar seus conhecimentos eles possuíram suficiente sabedoria a ponto de influenciarem outros povos e assim marcar profundamente a literatura da época, criando uma espécie de aura de mistério e misticismo. 




Em torno disto existem muitos relatos, contos, lendas e mitos, especialmente ligados à Corte do Rei Arthur e a Távola Redonda. São inúmeros os contos, entre eles, aqueles relativos à Corte do Rei Arthur, onde vivera Merlin, o mago, e a meia-irmã de Arthur, Morgana, que eram Druidas.



A religião druídica na realidade era uma expressão mais mística da religião céltica.
Esta era mais mágica, por isso mais popular, com formas de rituais mais rústicos, e muito mais ligado à natureza ambiental, à terra que era tratada com carinho bem especial. A mais popular das expressões religiosas dos celtas constituiu-se a Wicca, que o Catolicismo fez empenho em descrever como um conjunto de rituais satânicos.

São frequentemente os festivais célticos. Para eles o ano era dividido em quatro períodos de três meses em cujo início de cada um havia um grande festival.

Eram eles:

Imbolc - celebrado em 1 de fevereiro e era associado à deusa Brigit, a Mãe-Deusa protectora da mulher e do nascimento das crianças;

Beltane - celebrada em 1 de maio. (também chamado de Beltine, Beltain, Beal-tine, Beltan, Bel-tien e Beltein) Significa "brilho do fogo". Este festival, muito bonito, era marcado por milhares de fogueiras;

Lughnasadh - (também conhecido como Lammas), dedicado ao Deus lugh, celebrado em 1 de agosto;

Samhain - a mais importante das quatro festas, celebrada em 1 de novembro. Hoje associada com o Hallows Day, celebrado na noite anterior ao Hallowen.


Basicamente a doutrina céltica enfatizava a terra e a deusa mãe enquanto que os Druidas mencionavam diversos deuses ligados às formas de expressão da natureza; eles enfatizavam igualmente o mar e o céu e acreditavam na imortalidade da alma, que chegava ao aperfeiçoamento através das reencarnações.

Eles admitiam como certa a lei de causa e efeito, diziam que o homem era livre para fazer tudo aquilo que quisesse fazer, mas que com certeza cada um era responsável pelo próprio destino, de acordo com os actos que livremente praticasse.


Toda a ação era livre, mas traria sempre uma consequência, boa ou má, segundo as obras praticadas. Mesmo sendo livre, o homem também respondia socialmente pelos seus atos, pois para isto existia pena de morte aplicada aos criminosos perversos. 


A Igreja Católica acusava os Celtas e Druidas de bárbaros por sacrificarem os criminosos de forma sangrenta, esquecendo que ela também matava queimando as pessoas vivas sem que elas houvessem cometido crimes, apenas por questão de fé ou por praticarem rituais diferentes… pura ironia!



A crença céltica e druídica diziam que o homem teria a ajuda dos espíritos protectores e sua libertação dos ciclos reencarnatórios seria mais rápida assim. Cada pessoa tinha a responsabilidade de passar seus conhecimentos adiante, para as pessoas que estivessem igualmente aptas a entenderem a lei de causa e efeito, também conhecida atualmente como lei do carma.

Não admitiam que a Divindade pudesse ser cultuada dentro de templos constituídos por mãos humanas, assim, faziam dos campos e das florestas, principalmente onde houvesse antigos carvalhos, os locais de suas cerimónias.

Em vez de templos fechados eles reuniam-se nos círculos de pedra, como se vêem nas ruínas de Stonehenge Avebury, Silbury Hill e outros.

Enquanto em alguns dos festivais célticos os participantes o faziam sem vestes os Druidas, por sua vez, usavam túnicas brancas. Sempre formavam os círculos mágicos visando a canalização de força.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Merlin



Muitos têm a curiosidade de saber se o mago Merlin teria, de fato, existido, ou são apenas lendas que prosperaram até hoje. O fato é que esse ser místico atrai muitas especulações em torno de si, portanto já é surpreendente o personagem Merlin, seja ele real, ficção e, ainda, um alienígena.

Merlin (ou Merlim), era um mago, profeta, conselheiro, grão-druida. Teve sua primeira aparição no século X e, segundo a lenda, ele é filho de uma freira com um íncubo (demônio da Idade Média). Merlin herdou a beleza da mãe e a inteligência do pai.

Merlin, primeiramente, foi confundido com um louco chamado Myrddin, que se refugiou nas terras escocesas e lá fez muitas previsões para o futuro.


Existem outras lendas atribuídas a Merlin como a da construção de Stonehenge,o famoso círculo de pedra na Inglaterra. Já se especulou que Stonehenge foi construída por druidas e alienígenas, mas existem lendas que contam que as pedras foram transportadas do País de Gales via ar pelo mago Merlin no ano 300 a.C.

Os primeiros registros existentes onde consta Merlin são do começo do século 10, neles consta que Merlin era um mero profeta, mas o papel dele foi evoluindo gradualmente como mago, profeta e conselheiro, ativo em todas as fases da administração do reinado do Rei Arthur.

Tornou-se conhecido como Merlin, uma versão latinizada da palavra gaulesa, Myrddin. Merlin era o filho bastardo da Princesa Real de Dyfed. Porém, o Rei, pai da princesa, Meurig Maredydd Rhain, não é encontrado nas genealogias tradicionais deste reino e provavelmente era um sub-rei da região que limita Ceredigion.

O pai de Merlin, dizem os relatos, era um anjo que teria visitado a Princesa Real e tinha a deixado com a criança. Os inimigos de Merlin diziam que o pai dele era um incubus, um espírito mau que tem relacionamento com mulheres enquanto dorme.


As pessoas suspeitavam que a criança "diabólica" (Merlin) veio para ser um contra peso à boa influência que Jesus Cristo teve na terra. Merlin, felizmente, foi batizado cedo em vida - é contado que este evento negou o mal na natureza dele, mas os poderes do lado obscuro ficaram intactos nele.

A lenda nos conta que a retirada romana da Inglaterra e a usurpação do trono dos herdeiros legítimos, fez com que Vortigern fugisse da saxônia e fosse para Snowdonia, em Gales, na esperanças de construir uma fortaleza em uma montanha em Dinas Emrys onde ele poderia estar seguro. 


Infelizmente, a construção vivia desmoronando e os feiticeiros da casa de Vortigern lhe falaram que um sacrifício de uma criança órfã resolveria o problema. Uma dificuldade, pois aquelas tais crianças eram bastante difíceis de serem encontradas. Felizmente para a fortaleza de Vortigern, Merlin era conhecido por não ter nenhum pai humano e o disponibilizaram.

Antes que o sacrifício pudesse acontecer, Merlin usou os grandes poderes visionários dele e atribuiu o problema estrutural a uma piscina subterrânea na qual viveu um dragão vermelho e um dragão branco.
O significado disto, de acordo com Merlin, era que o dragão vermelho representava os Bretões, e o dragão branco, os Saxões.

Os dragões lutaram, e o dragão branco levou a melhor, no princípio, entretanto o dragão vermelho empurrou o branco para trás. O significado estava claro. Merlin profetizou que Vortigern seria morto, e o trono seria tomado por Ambrosius Aurelianus, depois Uther, depois o grande líder, Arthur. Caberia a ele empurrar os Saxões para trás.

De acordo com a profecia, Vortigern foi morto e Ambrosius tomou o trono. Depois, Merlin parece ter herdado o pequeno reino do avô dele, mas abandonou as terras dele em favor da vida mais misteriosa para a qual ele se tornou tão bem conhecido (a vida druídica).


Depois que 460 nobres britânicos foram massacrados na conferência de paz, como resultado do artifício saxônio, Ambrosius consultou Merlin sobre erguer um marco comemorativo a eles. Merlin, junto com Uther, levou uma expedição para a Irlanda para obter as pedras do Chorea Gigantum, o Anel do Gigante.



Merlin, pelo uso dos poderes extraordinários dele, devolveu as pedras para um local, um pouco a ocidente de Amesbury, e os reergueu ao redor da sepultura da massa dos nobres britânicos. Nós chamamos este lugar Stonehenge.
Após a sua morte, Ambrosius teve como sucessor o seu irmão, Uther, quem, durante a perseguição dele a Gorlois, acabou por conhecer a esposa dele, Igraine, e acabou fascinado pela beleza dela.
Uther voltou para as terras em Cornwall, onde foi pedir para Merlin ajuda-lo a possuir Igraine, e para Merlin ajudá-lo, Uther teve que fazer um trato com Merlin de que a criança que nascesse da união de Uther com Igraine fosse dada a ele que se tornaria seu tutor.
Uther aceitou e foi ajudado por Merlin que o transformou na imagem de Gorlois. Uther entrou no castelo de Gorlois e conseguiu enganar Igraine a pensar que ele era o marido dela, e a engravidou, concebendo ela uma criança, Arthur.

Gorlois, no entanto não sabendo no que iria acontecer, saiu para encontrar-se com Uther no combate, mas ao antes disso, foi morto pelas tropas de Uther, enquanto Uther se passava por Gorlois.


Depois do nascimento de Arthur, Merlin se tornou o tutor do jovem menino, enquanto ele crescia com o seu pai adotivo, Senhor Ector. No momento definindo da carreira de Arthur, Merlin organizou uma competição da espada-na-pedra (a espada era Caliburnius e não a Excalibur, Excalibur só veio depois, quando Arthur quebrou Caliburnius, através dela o rapaz se tornou rei. Depois, o mago conheceu a mística Dama do Lago na Fonte de Barenton (na Bretanha) e a persuadiu a presentear o Rei com a espada mágica, Excalibur.

Nos romances, Merlin foi o criador da Távola Redonda, sempre ajudando e dirigindo os eventos do rei e do reino Camelot. Ele é pintado por Geoffrey de Monmouth, ao término da vida de Arthur, acompanhando Arthur ferido para a Ilha de Avalon para a curar das feridas dele. Outros contam como tendo se apaixonado profundamente por Morgana, a meia irmã de Arthur, e ele concordou em lhe ensinar todos seus poderes místicos.
Ela ficou tão poderosa que as habilidades mágicas dela "excederam" às de Merlin. Determinou que não seria escravizada por ele, e prendeu-o em um calabouço, uma caverna semelhantemente a uma prisão. Assim a ausência dele na Batalha de Camlann era no final das contas responsável pela morte de Arthur.

É dito que a prisão e/ou o local onde ele está enterrado está em baixo do Montículo de Merlin na Faculdade de Marlborough em Marlborough (Wiltshire), a Drumelzier em Tweeddale (a Escócia), Bryn Myrddin (a Colina de Merlin) perto de Carmarthen (Gales), Le de Tombeau Merlin (a Tumba de Merlin) perto de Paimpont (Brittany) e Ynys Enlli (Ilha de Bardsey) fora a Península de Lleyn (Gales).



Esta é a Lenda de Merlin mais conhecida, tendo outras que diziam que ele era um louco que tinha o dom de prever as coisas que iriam acontecer e que vivia nas florestas como um selvagem. Sendo assim, Merlin é um dos seres mais enigmáticos das lendas e escritos, onde até hoje ninguém sabe se ele existiu mesmo, ou se é apenas uma Lenda.


O que se sabe são apenas fragmentos sobre ele, e histórias confusas, na qual não se consegue definir a sua identidade. Tendo momentos de total lucidez como um sábio (como o de aconselhar Arthur como reinar em perfeita harmonia e a de falar com os elementais), e outras como o de uma pessoa que se deixou ser enganado pelo sentimento, abandonando a razão (como o fato de ter se apaixonado por Morgana e ensinado a ela a sua arte).
Isto faz com que ele seja tão enigmático e carismático ao mesmo tempo. Até hoje, quando se fala logo em mago, lembra-se do nome Merlin.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

SÍMBOLOS RÚNICOS

Símbolos mágicos de origem nórdica, as runas e os talismãs rúnicos eram usados pelos povos pagãos da antiga Escandinávia, para atrair virtudes, boa sorte, cura e proteção. Eram feitos de couro, osso, sementes, metais ou madeira.

Os símbolos possuem uma força ancestral muito grande, basta apenas acreditarmos, pois somos nós os responsáveis pela magia acontecer. Eis alguns deles:



                                                        

Figura 1
A cruz simboliza a proteção e o tridente representa os três níveis da manifestação universal: corpo, mente e espírito; o passado, o presente e o futuro. A missão desse talismã é afastar todos os tipos de energias negativas, proteger contra assaltos, defender o usuário de ataques psíquicos, como a ira e a inveja. (Figura 1)



                                                       

Figura 2
O círculo simboliza a criação, o movimento, a proteção, a unidade e o dinamismo psíquico. O semicírculo convexo, o receptivo. A missão desse talismã é ajudar quem o usa a realizar seus desejos. (Figura 2)



                                                          

Figura 3
Esse talismã promove a sintonia com os Deuses, ajudando-nos nas vitórias. (Figura 3)



                                                        


Figura 4
A cruz e o tridente representam o homem em pé, de braços abertos, em perfeito equilíbrio. A missão desse talismã é proteger o usuário de energias nocivas enviadas pelos inimigos ocultos. (Figura 4)


                                                       

Figura 5
Símbolo de Odin. Conta que os vikings colocavam esse talismã debaixo do travesseiro para ajudar na realização dos sonhos. Símbolo composto por nove círculos que formam a figura do sol, representando seu brilho e força; e da roda, que representa o movimento e a ação. (Figura 5)


                                                        

Figura 6
Esse símbolo era usado para ajudar os projetos a prosperarem, pois a âncora rúnica representa o apoio, o amparo, a segurança e a esperança. (Figura 6)



                                                       

Figura 7
Os vikings usavam esse talismã para curar enfermidades do corpo e do espírito. Tem como símbolo uma cruz estilizada com traços voltados para cima e para baixo em equilíbrio, representando o plano físico e o espiritual. (Figura 7)


                                                         

Figura 8
A missão desse talismã é trazer equilíbrio e combater a depressão. (Figura 8)



                                                           

Figura 9
Esse símbolo era usado para atrair prosperidade e propiciar bom desenvolvimento e abertura nos negócios, em todos os sentidos. (Figura 9)



                                                        

Figura 10

Esse talismã promove a concentração. (Figura 10)
Confeccione os talismãs rúnicos, consagre-os e utilize conforme a sua necessidade. Os símbolos podem ser gravados em argila, madeira ou metal. Se preferir, faça num papel branco, mas depois de um tempo há necessidade de renová-lo.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

As Luas e as Deusas



AFRODITE – deusa grega da lua nova e crescente. Ligada ao amor, beleza e sedução.

ANUKET – deusa egípcia da lua crescente. Anuket era uma Deusa nutridora não só da terra, mas também do faraó. Foi retratada amamentando o jovem Ramsés II, transmitindo-lhe poder, saúde e muita alegria.




ÁRTEMIS – deusa grega da lua crescente (Diana para os romanos). Deusa da caça e dos animais selvagens, especialmente os ursos. Ártemis era também a deusa do parto, da natureza e da colheita.





CIBELE – deusa grega da lua cheia. Cibele era a deusa dos mortos, da fertilidade, da vida selvagem, da agricultura e da Caçada Mística.
                                             



CIRCE – deusa grega da lua nova. Deusa de poções e poder, sobretudo o poder de vingar os aviltados.



EGERIA – deusa romana da lua cheia, ligada a leitura de oráculos.



FEBE - é a Deusa grega da lua cheia. Seu nome quer dizer "brilhante", nome que foi emprestado ao seu neto Apolo, chamado de Febo. Febe era uma antiga deusa da profecia e dividia o Oráculos de Delfos com Gaia (sua mãe) e com Têmis (sua irmã).

GESTINANNA – deusa suméria da lua cheia. Deve ser invocada sempre que tivermos um sonho e não soubermos interpretá-lo.


HÉCATE - Era a deusa grega da lua negra e das encruzilhadas. Também é uma deusa da feitiçaria e da magia negra. Também é a deusa da lua minguante, da noite e da magia, guardiã dos caminhos e senhora da sabedoria.



INANA – deusa suméria da lua crescente, Em época de mudanças, esta deusa sempre está presente e pode ser invocada.



ÍSIS – deusa egípcia da lua cheia. Ísis, antes de tudo, é provedora da vida. Ísis era invocada nas antigas escrituras como a senhora da cura, restauradora da vida e fonte de ervas curativas. ela era venerada como a senhora das palavras de poder, cujos encantamentos faziam desaparecer as doenças.


LUCINA – deusa romana da lua crescente. Ligada ao parto e menopausa.


MEDUSA – deusa grega da lua cheia. Ligada a proteção feminina, leitura de oráculos, artes mágicas e sedução.

MINERVA – deusa romana da lua nova. Ligada ao comércio, educação e justiça.

MORGANA – deusa celta da lua cheia. Ligada a saúde, leitura de oráculo, artes mágicas e sedução.

PERSÉFONE – deusa grega da lua minguante. Esposa de Hades e rainha do inferno.

SELENE - deusa grega da lua cheia. Era a maior divindade do firmamento, quase tão importante quanto o Sol. Selene era o órgão visual da noite e a rainha do silêncio.

TELITA – deusa babilônica da lua crescente. Rainha da lua. Tudo o que for pedido a ela sob os raios da lua, será atendido.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Sagrada Mãe





Que eu seja como as águas do rio, que correm suaves onde tem que ser suaves e revoltas onde precisam renovar tudo que está estagnado.



Que na minha jornada eu aprecie a beleza das flores que estão por ali e sinta seu perfume enchendo minha alma com eles.

Que eu ouça o canto dos pássaros nos galhos das árvores que sombreiam e esfriam o calor abençoado que produz a vida.

Que eu seja capaz de saciar a sede dos que de mim se aproximam como o rio faz com as criaturas que o procuram.

Que eu evapore e retorne na forma de bençãos tudo aquilo que está em excesso,como o rio faz caindo sobre a floresta em forma de chuva. Que nas horas necessárias a força das águas lave o caminho em que passo para tirar os obstáculos e deixar a vida fluir..

Que como o rio eu deixe lá no fundo as pedras que me impedem de prosseguir,mas transformam e sugerem um novo caminho ou um novo jeito de caminhar.

Que ao chegar ao meu destino eu abrace os que encontrar como o rio faz quando chega ao mar e renove as forças para a hora de voltar" 

Siríus de Áradia.