quinta-feira, 20 de março de 2014

Mabon - o Equinócio de Outono





Hoje, nós que rodamos a Roda pelo Sul, celebramos Mabon - o Equinócio de Outono.

Essa é uma data muito especial (e no que me diz respeito é muito especial mesmo, pois foi num Mabon que pra mim tudo começou de verdade). Novamente temos o equilíbrio. É o momento em que o dia e a noite têm a mesma duração. A partir de hoje as noites passarão a ser mais longas que os dias, e a natureza vai começar a se recolher pro inverno que se aproxima.

Essa é a época da segunda colheita. Essa não é uma época de fazer pedidos, é uma época de agradecermos.
Agradecermos pelas sementes recebidas (que não são nada mais do que os frutos do que plantamos...).
Época de começarmos a pensar e avaliar tudo o que foi plantado e colhido no ano que passou.
Época de começarmos a nos preparar para o período escuro que está por vir.
Época de nos conscientizarmos de que não haveria a luz se não houvesse também a escuridão, de que são necessárias as duas para se ter equilíbrio. E a Natureza é equilíbrio. Época de celebrarmos a Criança da Promessa.

Esse Sabbat vem nos mostrar que o Deus agora não é mais forte, poderoso, como era em Litha, que ele está envelhecendo...caminhando para o início de sua jornada rumo ao País do Verão, que acontecerá no próximo Samhain. 

Mas... Ele também vem nos falar da Criança da Promessa. Vem nos lembrar que a Criança que está sendo gerada no ventre da Deusa é o próprio Deus, que conforme vai perdendo sua força à nossa vista, vai crescendo no ventre da Mãe, crescendo, para nascer em Yule. O Deus vai renascer pra nos mostrar que a Roda gira, gira, gira, gira e gira, independente da nossa vontade, das nossas alegrias e tristezas, confirmando assim o eterno ciclo de nascimento, crescimento, ápice, decaimento, morte, nascimento... 



"Este é o tempo de colheita, de agradecimento e de alegria, de despedida e tristeza.
 Agora, dia e noite são iguais, em equilíbrio perfeito, o que nos leva a pensar sobre o equilíbrio e o fluxo de nossas próprias vidas.
 O Rei Sol transformou-se no Senhor das Sombras, navegando para o oeste: seguimo-lo na escuridão.
 A vida entra em declínio; a estação da aridez, daqui à pouco já vai estar conosco.
 No entanto, agradecemos o que colhemos e juntamos.
 Encontramo-nos para girar a Roda e tecer o fio que nos sustentará através da escuridão." 

[Starhawk - A Dança Cósmica das Feiticeiras]


FELIZ MABON A TODOS!

domingo, 26 de janeiro de 2014

Trecho do ritual de passagem



...A fonte sagrada corria de em

algum lugar mais acima, a sua água escorrendo para dentro

de um grande lago cercado por pedras vermelhas de

ferrugem devido ao ferro que vinha com a água.

Do outro lado, envolta numa capa, estava uma figura

que — assim o esperava — tinha de ser Lhiannon.

Pensou em como seria aquele ritual quando era celebrado

por uma série de sacerdotisas e não conseguiu decidir se

se sentia desapontada ou satisfeita pelo fato de receber

aquela iniciação unicamente de Lhiannon, que era em

quem ela mais confiava.

— Entraste no templo da Grande Deusa que,

embora use muitas formas, não tem forma nem nome,

embora lhe chamem muitos nomes. Ela é Donzela, para

sempre intocada e pura. É Mãe, a Fonte de Tudo. É a

Senhora da Sabedoria que perdura para além do túmulo.

E Ela responde a todos os nomes que Lhe deram todos

as tribos da humanidade.

 A Deusa está em todas as mulheres

e todas as mulheres são rostos da Deusa. Tudo o

que Ela é, tu serás. Criando e destruindo, Ela faz nascer

todas as transformações. Estás disposta a aceitá-La em

todas as Suas formas?

Boudica pigarreou. — Estou...

Fonte: Os Corvos de Avalon pag.121